O que é um Laboratório de Patologia (Anatomia Patológica)?
É um laboratório constituído por médicos especialistas em diagnóstico utilizando  o  microscópio como ferramenta de análise. Examinando as células e tecidos, os médicos patologistas reconhecem padrões característicos de várias doenças como o câncer, chegando ao diagnóstico correto e preciso que vai permitir o tratamento adequado a cada paciente. Na avaliação, utilizam-se não apenas do seu treinamento no reconhecimento de padrões ao microscópio, mas também dos seus conhecimentos médicos de clínica e interpretação de exames complementares, como imagens radiológicas e outros exames laboratoriais.

 

Quem são os médicos patologistas?
São os profissionais responsáveis pelos diagnósticos histopatológicos, de materiais obtidos por cirurgias, biópsias de agulha, endoscopias, etc. Os  seus laudos permitem que os cirurgiões e clínicos decidam qual o tratamento correto para cada paciente. A sua análise também fornece dados sobre o provável prognóstico do paciente e em muitos casos indicam a probabilidade de resposta a um determinado medicamento. São em grande parte responsáveis pelo controle de qualidade da Medicina e são importantes também no diagnóstico precoce do câncer e na sua prevenção.

 

O que é Biópsia?
A biópsia consiste na retirada de uma amostra de células e/ou tecidos do organismo vivo. O material extraído é identificado e enviado ao Patologista, que é responsável pelo manuseio e processamento do material e análise microscópica do mesmo.

 

Do que se trata o Exame de congelação ?
É um procedimento diagnóstico rápido, realizado pelo patologista durante o ato cirúrgico.  Esse tipo de exame permite que o cirurgião tome a conduta definitiva em um único procedimento, evitando uma cirurgia para retirada do tecido para diagnóstico, seguida de uma outra cirurgia para o tratamento definitivo. A avaliação do patologista orienta o cirurgião no sentido da maior ou menor extensão do ato cirúrgico.

 

O que é um exame imunoistoquímico?
É um exame especial onde se utilizam anticorpos que vão se ligar a moléculas específicas de um determinado tecido. Em geral é realizado em casos mais complexos, nos quais o exame convencional não consegue classificar o tumor ou em casos de câncer já disseminado, quando é necessário saber em que tecido ou órgão ele se originou para estabelecer o tratamento correto. É também importante para estabelecer a possibilidade de resposta a determinados agentes terapêuticos.